Dirofilariose em Gatos – O Que Devemos Saber?

Dirofilariose em Gatos – O Que Devemos Saber?

Assim como os cães, os gatos também podem ser infectados pela dirofilariose. Essa doença é mais comum de estar presente em áreas com praia ou rios.

Os gatos tem uma manifestação clínica diferente da dos cães, por isso, é importante saber quais complicações a doença pode causar, sinais clínicos e a melhor forma de você proteger o seu bichano.

As mamães e papais que fazem parte da nossa lista VIP já sabem há muito tempo da importância de saber as principais doenças e sintomas dos nossos filhinhos peludos. 

Caso também queira participar é só se inscrever abaixo também.

GRÁTIS! Livro Digital: Como Parar De Envenenar Seu Gato Com Rações Ruins (Mesmo As Mais Famosas)

Dirofilariose em Gatos - O Que Devemos Saber?

Descubra como e por que MESMO AS RAÇÕES MAIS CARAS podem estar fazendo MUITO MAL ao seu bichano e TIRANDO ANOS da vida dele! (E como se prevenir disso)

Download 100% GRATUITO! Insira seu melhor e-mail para receber.>

Fique tranquilo, a gente também ODEIA SPAM! Com a gente, seu e-mail está completamente SEGURO!

(Mais de 90 mil downloads)

Agora vamos ao que interessa!

O que é a dirofilariose?

Dirofilariose em Gatos - O Que Devemos Saber?

A dirofilariose é uma doença conhecida como “verme do coração”. O que acontece?

O parasita Dirofilaria immitis entra no corpo do seu gato pela picada de um mosquito. Esse mosquito pode pegar larvas de um animal que já esteja contaminado com a doença, como um cão, e transferir essas larvas para a corrente sanguínea do gato.

Normalmente leva em torno de oito meses para que essas larvas comecem a se desenvolver no corpo do gato que foi infectado.

O ciclo da doença começa no tecido subcutâneo, que é a parte abaixo da pele. Ela se move para os músculos, atingindo todo o tecido muscular. É eventualmente enviada para o ventrículo direito do coração, pulmões e dentro das artérias.

Essas larvas precisam crescer e tornarem-se adultas, então elas começam a amadurecer e ficam se desenvolvendo nas artérias pulmonares, e não dentro do coração.

Mas essas artérias possuem um papel muito importante, elas transportam o sangue do coração para os pulmões e, consequentemente, o pulmão será afetado dessa maneira também.

Sinais clínicos da dirofilariose em gatos

Dirofilariose em Gatos - O Que Devemos Saber?

Mesmo antes dos vermes estarem completamente crescidos eles podem começar a causar problemas, em qualquer período da infecção, geralmente entre 60-100 dias após o contágio.

Quando os vermes entram nas artérias dos pulmões, que são bem pequenas, eles acabam causando diversos danos locais, tanto para as artérias, alvéolos e bronquíolos.

O organismo, em forma de defesa, cria uma grande resposta inflamatória. Essa resposta, na tentativa de ajudar, também acaba provocando danos.

Alguns bichanos infectados com a doença podem acabar eliminando os vermes de forma espontânea.

Na maioria das vezes a doença é bem silenciosa e pode evoluir para sinais clínicos não tão específicos, que podem ser confundidos com outras doenças.

Consultar o médico veterinário caso você more em região com praia ou se levou o seu gato para viajar é uma forma de prevenção, porque quanto antes a doença for tratada, melhor! Já que ela pode ser fatal.

Alguns dos sinais clínicos incluem:

  • Tosse
  • Ataques semelhantes a asma, dificuldade para respirar
  • Falta de apetite
  • Perda de peso
  • Diarreia
  • Cegueira
  • Aumento da frequência cardíaca
  • Letargia
  • Vômito
  • Desmaios, convulsões, dificuldade em caminhar
  • Acúmulo de fluido dentro do abdômen, quilotórax

Esses sinais clínicos podem ser discretos ou muito acentuados, quando a infecção é muito grande, alguns gatos podem acabar vindo a óbito, infelizmente.

Como a dirofilariose é diagnosticada e tratada em gatos?

Dirofilariose em Gatos - O Que Devemos Saber?

Normalmente é solicitado um exame de sangue, incluindo um teste de anticorpo contra dirofilariose e um teste de antígeno para dirofilariose, assim como radiografias do tórax e ultrassom, para determinar se a infecção está presente.

Infelizmente os mesmos tratamentos que podem ser usados ​​em cães infectados com dirofilariose não podem ser usados ​​em gatos.

Atualmente não há medicamento disponível que tenha sido aprovado para o tratamento da dirofilariose felina.

Em termos de opções de tratamento, caso um gato seja diagnosticado com dirofilariose mas não esteja exibindo sinais clínicos graves, ele pode ser monitorado de perto para ver se a doença se resolve espontaneamente.

Em alguns casos os felinos podem apresentar sinais da doença nos pulmões e nos vasos sanguíneos. É recomendado que esse bichano seja monitorado por meio de radiografias.

Além disso, em felinos com doença pulmonar clinicamente confirmada, a terapia de suporte com prednisona pode ser usada.

Em felinos que apresentam sintomas aparentes de dirofilariose podem ser prescritas terapias de suporte, como oxigenoterapia, antibióticos, medicamentos cardiovasculares e fluidos.

A esperança é que ao tratar os sinais clínicos o gato sobreviva aos vermes, que podem sobreviver no corpo do animal por cerca de dois a três anos. Portanto, o tratamento de longo prazo é necessário.

Existe uma maneira de prevenir a dirofilariose em gatos?

Dirofilariose em Gatos - O Que Devemos Saber?

Os tutores dos bichanos podem utilizar vermífugos específicos para dirofilariose, eles são muito eficazes na prevenção.

Outras maneiras é manter o seu gato em casa, isso pode diminuir o risco dele se infectar com a doença.

Converse também com o médico veterinária para avaliar se estão tendo muitos casos da doença em determinada região.

A prevenção sempre é a melhor forma de reduzir qualquer tipo de doença, ainda mais a dirofilariose que é bastante séria e pode ter complicações graves.

Por isso reforçamos bastante nesse vídeo sobre as principais doenças de gatos e como evitá-las. E, acredite, muitas delas são causadas pelos próprios tutores.

Portanto assista a esse vídeo para saber se você está fazendo algo de errado e como você pode corrigir sua atitude se esse for o caso.


Você já sabia tudo que falamos aqui? Comenta ali no final “Não foi novidade”. Se aprendeu algo novo, comenta “Eu não sabia ….”.

Não se esqueça de conhecer nossas mídias sociais (temos conteúdos exclusivos para cada uma delas!):


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *